ULTIMAS NOTÍCIAS
Temer barrou deputado paraibano na Cultura para agradar setor artístico
sexta-feira, 21 de julho de 2017 Posted by Silvano Silva ✔

Com a imagem fragilizada pela denúncia de corrupção passiva apresentada pela Procuradoria-Geral da República, o presidente Michel Temer abriu mão de uma indicação política e decidiu agradar ao setor artístico com a nomeação do jornalista Sérgio Sá Leitão para o Ministério da Cultura. O cargo estava vago desde 18 de maio, quando o deputado Roberto Freire (PPS-SP) deixou o posto, após a divulgação da delação do Grupo J&F, que atingiu Temer. 
A pasta da Cultura era cobiçada por parlamentares do PMDB e do Centrão, grupo de partidos que ganhou força desde que votou majoritariamente contra a admissibilidade da denúncia contra Temer na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. A deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ), filha do presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, se articulava para ser indicada ao cargo, mas enfrentou resistência por não ser da área. Nesta quarta-feira, 19, o próprio presidente informou que já tinha feito outra escolha. O deputado André Amaral (PMDB-PB) também queria o posto.
O Ministério da Cultura tem sido um problema para Temer, que vem enfrentando críticas do setor desde o início de sua gestão, quando chegou a extinguir a pasta – e depois recuou. Por isso, o presidente buscou um nome da área, que tivesse apoio para diminuir as resistências. 
Paes e Maia. Além das relações na área, o novo ministro também tem ligações políticas. Ele é próximo de Roberto Freire, seu antecessor no comando da pasta, e do ex-prefeito Eduardo Paes (PMDB-RJ). A indicação também agradou ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que será o responsável por comandar a votação da denúncia contra Temer no plenário da Casa, em 2 de agosto. Primeiro na linha sucessória da Presidência, Maia assume o comando do País no lugar do peemedebista, caso a denúncia seja aceita e Temer, afastado do cargo.
Maia negou que tenha influenciado na indicação do novo ministro da Cultura. Aliados do deputado do DEM, contudo, avaliam que Temer fez um “gesto diplomático” a ele, além de acenar ao PMDB do Rio, do qual Paes é integrante. 
Placar do Estado mostra que, dos 11 integrantes da bancada peemedebista fluminense, um já se posicionou a favor da aceitação da denúncia contra o presidente, seis estão indecisos ou não quiseram responder e quatro se disseram contra.
Desde que a denúncia por corrupção começou a tramitar na Câmara, Maia tem se mostrado distante do Palácio do Planalto. Na terça-feira, ele e Temer tiveram um atrito, após o presidente convidar parlamentares dissidentes do PSB a se filiar ao PMDB. Maia se irritou com o gesto, uma vez que, desde que o PSB deixou a base do governo, negocia a migração dos descontentes para o DEM. Temer acionou ministros para desfazer o mal-estar.
Em novembro do ano passado, Temer enfrentou uma crise com origem no Ministério da Cultura, quando foi gravado, em seu gabinete, pelo ex-titular da pasta Marcelo Calero. O ex-ministro – que deixou o ministério após o episódio – acusou Geddel Vieira Lima (PMDB), à época na Secretaria de Governo, de tê-lo pressionado a liberar a obra de um edifício onde possuía um apartamento em área tombada de Salvador.

Estadão 

Silvano Silva ✔

Obrigado pela visita!

Nenhum comentário:

Comente esta notícia!